Páginas

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

A farsa da abundância: É tudo a mesma coisa

Das verduras amargas, quais você lembra o nome? A escarola é a mais famosa, virou sabor de pizza. Qual mais? Chicória, por causa daquele comercial da criancinha implicante (só eu que lembro disso?). Se você estiver numa feira, certamente vai encontrar ainda almeirão, pão-de-açúcar, catalonha...

Hum, se eu quiser uma salada bem vitaminada basta colocar um pouco de cada uma, certo? Talvez. Num prato com escarola, chicória, almeirão, pão-de-açúcar, catalonha, quantas espécies haverão ali? Apenas uma. Só uma?

Chicorium intybus, é seu nome científico. Calma, como assim, quer dizer que o feirante está me vendendo a mesma planta sob vários nomes? Está, sim. É tudo a mesma verdura. Uma mais comprida, uma mais lisa, uma mais amarga, colorações diferentes, formas diferentes.  Igual alface romana, alface crespa, lisa, americana, mimosa.... A única diferença é que todas chamam-se "alface". No caso das "Chicorium", por sua vez, elas recebem vários nomes.

No caso das plantas do gênero Chicorium, cada uma recebeu um nome, de certa forma enganando o consumidor. Não que os supermercados e feiras tenham agido de má fé, mas fato é: estão vendendo várias verões da mesma coisa. Tudo fruto de seleção, claro, obtendo várias variedades. Mas no final das contas, é tudo a mesma coisa. Nutricionalmente, então, não precisa ser um expert pra deduzir que elas tem um perfil parecido. Ou seja, mais do mesmo.

Mas e as outras verduras da horta? Ah, elas sim são de espécies diferentes. Formas diferentes, sabores diferentes, vitaminas e minerais diferentes. A maior parte das verdurinhas amargas é da família das Asteraceas, mas isso não quer dizer que toda asteracea é amarga. Por exemplo, a alface.

Desafio: quantas espécies tem na foto abaixo? Todas asteráceas, claro.

Dente de leão, almeirão, serralha, crepe do japão e serralhinha.

Sem pegadinhas, são cinco espécies. A primeira, o dente-de-leão (Taraxacum officinale), tem a folha mais recortada de todas. A segunda, mais lisa, é uma variedade ruderal de almeirão (Chicorium intybus). Depois, a serralha, (Sonchus oleraceus), a mais amarga de todas. Depois, o crepe do japão (Crepis japonica, já falamos dele aqui), saborosa e suave. Por fim, a emília, ou serralhinha (Emilia sonchifolia), de sabor forte e levemente amarga.

Viu só, você era rico e nem sabia. Elas estão nas ruas, praças, calçadas, hortas, vasos, calhas... Porque não tentar umas sementes e plantar na horta? Mais variedade, mais sabor, mais nutrientes. Quem disse que salada precisa ser monótona?

Se você não gosta de sabores amargos, mesmo assim vale tentar. A serralha e o dente de leão talvez possam ser traumáticos puros. E se misturados numa salada neutra, como alface? Ou numa combinação intensa, com rúcula e folhas de mostarda? E porque não adicionar um molho para deixar mais gostoso?

RECEITA

Molho simples para verduras amargas (para 4 pessoas).

1 col sopa de mel, melaço ou glucose
2 col sopa de suco de limão
2 col sopa azeite
1 pitada pimenta, a gosto
1 pitada de gengibre ralado
1 col café de qualquer uma delas: cebolinha, manjericão, tomilho, coentro
1 col café de mostarda, em pó ou em pasta
1/2 col café sal

Misture tudo com um garfo e sirva sobre a salada.

2 comentários:

  1. Guilherme o nome científico para o almeirão chamado de "catalonha", que acho bem amargo, também é chicorium intybus?

    ResponderExcluir
  2. Não gostei da maneira de abordar o tema. Parecem estar incentivando uma guerra contra os feirantes, tendo descoberto uma fraude comercial. E deixaram de comentar que couve, couve-flor, brócolis, repolho tbm são a mesma espécie.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...