segunda-feira, 4 de junho de 2018

Agrião-do-líbano, salsa-do-líbano.



O agrião-do-líbano (Apium nodiflorum) é meu mais novo xodó. Estou na fase das plantas aquáticas, como vocês vão perceber. Chamada em inglês de lebanon cress, é uma hortaliça e um tempero ainda pouco comum, usado em pequenas comunidades da Europa e Oriente médio, de onde é nativa. É uma planta silvestre que foi introduzida no Brasil, mas a qual pouca atenção comercial foi dada.

Apesar de parente da salsa e da cenoura (para mim tem sabor de cenoura), das quais o aroma é parecido, é chamado de agrião por ser uma planta anfíbia, ou seja, que tolera solos permanentemente encharcados, como brejos, beiras de lagos e córregos. Em vasos, vai muito bem, desde que não pegue sol direto por muitas horas nem pegue muito vento. É de facílimo cultivo, ideal para quem ter um vaso de PANC em casa.

Tem crescimento exuberante nesses ambientes, em especial se for em uma localidade sem sol intenso direto. Suas folhas recortadas tem um aspecto lustroso, um verde intenso e são muito delicadas e ornamentais, além de um formato inusitado. A sol pleno e na terra, fica com folhas miúdas, mas em locais mais sombreados e úmidos fica com folhas enormes e ainda assim, macias.

É uma erva muito aromática, pouco fibrosa, ideal para saladas (as folhas podem ser usadas inteiras), assim como substitui a salsa em tabules, pestos, e na finalização de diversos pratos. Também gosto de usar em sucos verdes, como tempero para limonada, e como decoração, porque seu formato peculiar e aparência de "baby leaf" são muito convidativos.

De facílimo cultivo, enraíza com facilidade a partir dos estolões que produz ao longo do caule, formando largas touceiras. Pode ser considerada invasiva, porque chega a formar grandes maciços, necessitando de de controle (talvez plantada em vaso). Segundo a amiga Geni, que cultiva as plantas na beira de uma represa, elas chegam a mais de 1m de altura. As das fotos estão novinhas, com apenas 1 mês de idade.





É boa companheira para ser cultivada abaixo de outras plantas que apreciam umidade, como taioba, inhame, cúrcuma, batata-d'água. Também cresce muito bem mesmo durante o inverno, tolerando desde meses muito quentes a muito frios. 

Nas fotos, plantas com apenas um mês de idade, produzindo em abundância, mesmo plantadas em solo seco e em local muito sombreado. A colheita deve ser feita removendo as folhas, mas mantendo o caule, que logo regenera e forma uma touceira. Acredito que seja uma planta que dê para plantar dentro de casa, próximo a uma janela. Cuidado, porém, porque ela não resiste a correntes de vento. 

Caso seja cultivada na água, é bom que seja lavada com solução de cloro ou cozida, para evitar parasitas aquáticos contaminem o alimento. 

sexta-feira, 4 de maio de 2018

Diferenças entre fruta-do-conde, ata, pinha, anona, atemóia e biribá



Essa é uma dúvida que sempre surge nos e-mails que recebo. Como tinha as frutas em mãos, resolvi fazer uma postagem. A família das Anonáceas é grande e em geral, possui frutos comestíveis (in natura e também usados como condimento). Essa família é comum em regiões tropicais, sendo muito comum de norte a sul do Brasil, com inúmeros espécies diferentes que poderiam ser usadas na alimentação. O Helton, maior frutólogo do Brasil, já falou sobre várias delas (aqui).

A forma mais fácil de identificar as mais comuns talvez seja por fotos e nome científico, porque há muitos nomes populares em comum entre elas. Pinha, por exemplo, é usado para quase todas, devido ao formato que lembra a pinha do pinheiro. Ainda que possam ser parecidas, o sabor é bem diferente dependendo da espécie. Algumas, como o marolo, são muito fortes para serem comidas in natura, compondo sucos, mousses e licores.



A primeira espécie é o marolo (Annona crassiflora), também chamado de araticum e araticum-do-cerrado. Essa é bem distinta e difícil de errar - o fruto é arredondado, quando maduro fica com uma cor marrom. A casca se solta fácil em "escamas". A polpa é amarela e fortemente aromática (lembra um pouco peque e abacaxi maduro), chegando a mais de 1kg por fruto.

A segunda é a Anonna squamosa, chamada de ata, pinha, fruta do conde e anona. Essa fruta, quando madura, fica com a casca verde salpintada de preto; a casca de solta facilmente, "desmontando" as escamas. Muitas sementes, polpa "solta", muito doce, pouca acidez, textura granulosa.

A terceira é a atemóia (Anonna cherimola x squamosa) , um híbrido entre a ata (Anonna squamosa), nativa do Brasil, e a chirimoia (Annona cherimola), uma fruta Andina. O próprio nome é uma mistura das duas: ata + cherimoia = atemoia. Porque ela foi desenvolvida? Esse cruzamento surgiu buscando uma planta com a resistência e a doçura da ata, e a durabilidade, sabor, textura da cherimoia, além de menos sementes. Essa fruta pode ter tamanhos variados, mas em geral tem a casca verde e menos irregular, não fica escura quando madura, a casca não se solta facilmente da polpa, tem poucas sementes e polpa mais firme, que permite ser fatiada. O sabor é mais ácido e aromático do que a ata. O fruto pode passar de 1kg conforme a variedade, mas as comerciais são em geral do tamanho de uma laranja-bahia.

A quarta é o biribá ou pinha-amarela (Rollinia mucosa), uma planta nativa às vezes confundida e chamada de fruta-do-conde. Essa fruta é bem diferente - tem a casca amarela quando madura, sementes pretas, polpa gelatinosa (como o nome diz, lembra textura de muco), doce mas também ácida, de sabor suave e quase sem aroma. Suas muda é comumente vendida como fruta-do-conde no estado de São Paulo, mas a árvore é bastante distinta. O fruto pode passar de 1kg. 

Por fim, a graviola (Anonna muricata) é uma fruta bem distinta das demais - chega a muitos quilos, tem a casca verde, é repleta de sementes e tem a polpa muito aromática, não tão doce e levemente ácida. Ela se difere em especial, pelo tamanho, sendo quase 10x maior do que uma fruta-do-conde, por exemplo. Na aparência, ela lembra mais a atemóia.

Condessa (Anonna reticulata),
foto daqui
Adendo: existe uma fruta denominada condessa (Anonna reticulata), que não é nativa do Brasil, mas gera confusão. Ela tem a polpa branca e doce, parecida com a da ata, porém sua casca fica avermelhada e não se desmancha com facilidade.

terça-feira, 24 de abril de 2018

Espinafre-amazônico, orelha-de-macaco, brazilian spinach, sissoo spinach


Espinafre-amazônico cultivado na sombra

Já sentiu o lábio formigando e o céu da boca coçando depois de uma salada de espinafre ou de comê-lo mal-cozido? São os primeiros sintomas de uma irritação ou intolerância leve ao espinafre. No senso comum, chamamos de espinafre todas as hortaliças que devem ser preferencialmente cozidas e que tenham um sabor que lembre o espinafre. Sim, os espinafres (são muitos) devem ser sempre cozidos antes do consumo, por conterem taninos, nitratos, oxalatos... Deve ser evitado seu consumo cru ou em sucos sempre que possível.

Em inglês, temos uma série de plantas chamadas de espinafre (algumas delas exigindo looongo cozimento), como:
- o espinafre-de-árvore, ou chaya (Cnidoscolus aconitifolius)
- a celósia ou crista-de-galo ou espinafre-africano (Celosia argentea)
- o espinafre-japonês ou espinafre-de-okinawa (Gynura bicolor)
- o espinafre-malabar ou bertalha (Basella alba)

Aqui no Brasil temos dois tipos comerciais de espinafre: o espinafre-da-nova-zelândia (Tetragonia tetragonioides), que é uma suculenta comestível, rasteira, de caules grossos e folhas levemente ásperas, e o espinafre-verdadeiro, aquele do Popeye (Spinacia oleracea), que forma pequenas touceiras e visualmente se parece muito mais com um almeirão ou uma rúcula. Esse último, muito raro em cultivo, então é possível que você nunca tenha comido o espinafre-verdadeiro.

Spinacia oleracea, espinafre verdadeiro.

Tetragonia tetragonioides, espinafre-da-nova-zelândia
Fora do Brasil, existe uma planta chamada de espinafre-brasileiro, ou brazilian spinach. Mas qual será esse espinafre? Nos artigos (até mesmo científicos), aparece o nome de Alternanthera sissoo, porém, em nenhum lugar esse nome foi formalmente descrito como sendo oficial. O mais próximo que temos disso é a pista de que seja um cultivar de Alternanthera sessilis, possivelmente oriundo da região amazônica, mas de cultivo amplo na Australia e na Nova Zelândia (procure no google para receitas infinitas).

Porque será que ele é conhecido fora do Brasil e por aqui, desconhecido? Será que na Nova Zelândia eles comem o espinafre-da-nova-zelândia, ou o brazilian spinach? Se procurar em português por orelha-de-macaco ou espinafre-amazônico, quase não vem resultados úteis. Mas procurando em inglês... 

Resultado para "brazilian spinach"
Cultivo

O espinafre-amazônico é uma planta de fácil cultivo, crescimento muito rápido e se destaca por crescer bem mesmo em ambientes muito úmidos e sombreados. Sua reprodução é por estacas de caule, pequenas, que enraízam muito facilmente (desde que haja umidade). Percebemos aqui que o grau de sol e de umidade do ar que a planta recebe vai influenciar no tamanho das folhas e no seu sabor. Em solos mais secos e em ambientes ensolarados, as folhas ficam menores, a planta fica bem rasteira, um tanto fibrosa e amarga. Quando cultivada na sombra e em locais mais úmidos, as folhas ficam maiores, mais macias e a planta fica mais alta. Deve ser podado ou refeito o canteiro, porque  plantas velhas tendem a perder o vigor com o passar do tempo.

em cultivo na sombra, mudas com 1 mês de vida
em cultivo a pleno sol
Variedades

Existem variedades de folhas mais ou menos "amassadas" ou enroladas. Esse é o charme dessa planta, que por causa da sua cara de "amassada" faz sucesso como ornamental, como forração de jardins. Aparentemente, esse é um cultivar - a planta na forma silvestre produz mais sementes e tem as folhas lisas, sendo um bocado diferente. A denominação dessa planta ainda não foi bem resolvida, mas ela é consumida há bastante tempo no Brasil e fora dele, então acredita-se ser de uso seguro (em geral, a família das amarantáceas tem folhas comestíveis após cozimento). 

Preparo

Para preparar, destaque as folhas e ferva de 1 a 3 minutos, depois use na sua receita de preferência. Ele possui um pouco de oxalatos e possivelmente taninos, que são removidos no cozimento. A textura é mais firme e a cor mais resistente do que o espinafre-da-nova-zelândia. Também não tem baba.

folhas "amassadas" e brilhantes, mas claras
na parte de baixo.

variedade de folhas mais compridas, sabor igual.
Esse é um claro exemplo de planta maravilhosa que fora do Brasil já aprenderam a aproveitar, pela sua resistência, produtividade e sabor, mas que grande parte de nós ainda não conhecemos.  Espero em breve vê-lo nos mercados. Há alguns vídeos sobre (para você ver a beleza que é essa planta):


quinta-feira, 29 de março de 2018

As PANC no Globo Reporter


Nessa sexta-feira (30/03), haverá um Globo Repórter especial inteirinho sobre as PANC. Aproveite para tirar suas dúvidas. 

Aqui na lupa, na barra da direita, jogando diversas palavras-chave você pode encontrar mais de 250 plantas com fotos, receitas e dicas de identificação. Existem tantos matos de comer gostosos, nascendo pertinho de você :)

Se precisar de um profissional para ajudar a identificar plantas, realizar cursos, aulas, workshops, oficinas, dentro da temática das PANC, você pode me contatar por aqui ou na minha página pessoal.

Você também pode baixar nossa cartilha 100% gratuita para ler onde quiser, clicando aqui.

Em breve, muitas novidades. Entre e fique à vontade :)


quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Bougainville tea ou refresco de flores primavera

Cada cor de flor dá uma cor de chá. Divertido e saudável.
Ainda no tema das flores, muitas pessoas perguntam se a flor da primavera, também chamada de "buganvile", é comestível. É uma planta ornamental por excelência, muito usada em pergolas e entrada de casas, sempre com um efeito colorido muito dramático. Não tem esse nome por acaso - sua floração exuberante marca o início da estação primavera, de onde origina-se um de seus nomes populares. E sim, ela é comestível - apenas a parte colorida - as folhas aparentemente não tem uso na alimentação.


Apesar de pouco saborosas, são consideradas plantas alimentícias e também medicinais, cujo principal atrativo é a coloração, que varia do branco, aos tons de laranja e amarelo, ao rosa, vermelho e roxo. Na medicina, seus usos são como antioxidante e antiinflamatória, assim como é famoso o chá das suas flores para tosses e resfriados.

Na realidade, a parte comestível nem são as flores em si, que são diminutas, mas as brácteas florais, a parte mais vistosa e colorida da planta. Quando mais jovens, são mais macias e podem entrar como decoração de saladas, patês, tapiocas, assim como podem ser cozidas. Quando mais velhas, ficam fibrosas, mas ainda podem ser aproveitadas em infusões ou trituradas para pratos salgados e doces. Acredito que possam ser usadas em geleias, mas ainda não tentei. Na tapioca, a cor fica suave, mas em compensação, sem o sabor forte dos legumes que costumamos adicionar.

Todas colhidas em uma curta caminhada aqui em SP.

Escala de cores do bougainville tea.
Quando secam, retém a coloração, ficando lindas para a decoração de potes com ervas perfumadas, tipo pout-pourri. Triturada ou em pedaços pequenos, pode ser adicionada a massas e receitas, mantendo a coloração dos pedaços, sem "manchar" o entorno.

Para fazer a infusão colorida, ou bougainville tea, remova talos, partes verdes e as flores verdadeiras - fique só com a parte colorida. Ferva por 2 minutos e abafe por uns 10, para extrair o pigmento. Para dar sabor, pode adicionar frutas, como abacaxi, pêssego, melão, morangos e uvas, ou ainda especiarias e ervas aromáticas.

A grande vantagem das flores dessa PANC tão querida é sua suavidade. Não possuem gosto forte como a beterraba, nem acidez como o hibisco, sendo uma boa fonte de vermelhos, roxos e vinhos para o preparo de alimentos e bebidas, sem alterar o sabor. 

Segundo encontrei, as espécies comestíveis são a Bougainvillea glabra e a Bougainvillea spectabilis, e os híbridos decorrentes delas. As diferenças são poucas: uma tem folhas lisas, poucos espinhos e menor porte e a outra, folhas opacas, muitos espinhos e crescimento mais vigoroso. O que importa, no caso, é utilizar as flores, frescas ou secas.

Para o mundo dos refrescos, a primavera permite uma ampla gama de cores, as quais inclusive podem variar de acordo com o que é adicionado. O limão, por ser ácido, pode ajudar a criar novas colorações. Você pode adoçar com aquilo que preferir, assim como adicionar mais frutas. Que tal tentar uma limonada divertida, ou um chá colorido?

Limonada de primavera-escarlate. Vai resistir?
As flores podem ser desidratadas por alguns dias e armazenadas em frascos, mantendo a linda cor por muitos meses. Guarde em frasco fechado e ao abrigo da luz.



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...