Páginas

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Língua de Vaca, Labaça e Azedinha

Muita de língua de vaca, ou labaça.
A língua de vaca é uma planta que demorei para conseguir identificar, e agora que a conheço parece que a encontro por toda parte. É uma PANC, do tipo hortaliça folhosa, nativa da Europa, porém naturalizada por todo sul e sudeste do Brasil. Aqui em São Paulo ela está por toda parte, especialmente em terrenos mais úmidos. A Horta das Corujas é um exemplo, ela está repleta de língua-de-vaca. Produtores de Parelheiros que visitei também as tem em abundância, assim como na Serra da Cantareira.

Quem me apontou pela primeira vez seu uso foi a Madalena, da Horta das Corujas, sobre quando as consumiam quando morava no interior, escaldada com alho e cortada finamente. De fato, esse uso é muito comum, sendo usada como um substituto mais rústico e abundante para a couve. As folhas podem chegar a mais de 40 centímetros, sendo compridas e de verde intenso, levemente ásperas e com textura "amassada". Vários trabalhos de etnobotânica aqui no Brasil mostram seu uso como hortaliça. 

Há duas espécies muito parecidas. A Rumex crispus possui folhas mais arredondadas, com o pecíolo avermelhado e sabor mais ácido, sendo boa substituta para o ruibarbo. A espécie Rumex obtusifolius possui folhas mais finas, apontadas para cima e nem sempre apresenta pigmento avermelhado. No sabor, são muito parecidas, e em geral nascem lado a lado. Há ainda Rumex pulcher e Rumex conglomeratus, ambas comestíveis e aparentadas. 

Rumex obtusifolius. Note os talos verdes e as folhas
compridas e finas. Saborosa!

Rumex crispus, folhas arredondadas.
Rumex crispus, jovem. Note os talos avermelhados.
Comestível e saborosa.

A sugestão de consumo é para as folhas jovens, menos fibrosas e sem o sabor forte e característico da verdura. Embora seja possível consumi-la crua, o sabor é forte e quando cozida ou refogada, fica mais brando e palatável. Às vezes, tem certo amargor, como a escarola, mas pode ser mais neutra dependendo do solo e do ambiente. Possui compostos fenólicos e antioxidantes, sendo usada algumas vezes na medicina popular e na alimentação de animais domésticos, como galinhas e porcos. 

Preste atenção em áreas antropizadas brejosas e úmidas, porque essa planta gosta de umidade. Ela forma touceiras e tem as flores pequenas, verdes ou avermelhadas, dispostas de maneira similar às da tanchagem, embora muito mais altas e por vezes, ramificadas. Multiplica-se por elas ou por divisão de rizomas, que são profundos e rebrotam abundantemente desde que o solo seja fértil. 

Flores


Flores e sementes
As folhas ficam boas em sopas, refogadas, acrescidas ao arroz, farofas ou usadas em massas de pães e panquecas. O sabor é picante, penetrante e potente, então poucas quantidades já satisfazem. Há poucos estudos a respeito de seu valor nutricional. Acredita-se que, por ser parente irmã da azedinha (sorrel), tenha bons valores de vitamina A, C, magnésio, potássio e cálcio.  

Outra parente, a azedinha

A azedinha, aliás, é a Rumex acetosella, rica em ácido oxálico e de sabor incrivelmente ácido, assim como os trevos. É uma verdura que parece já vir temperada. Poucas folhas picadas na salada dão graça e sabor. Dela podem ser feitas, além de saladas, sucos, cremes, sopas e até geleias. É parecida com a língua-de-vaca, com exceção de que suas folhas são lisas, finas e mais suculentas, e seu porte é menor. Já é encontrada em algumas feiras orgânicas para vender. Aqui em São Paulo é comum na Feira do Parque da Água Branca. 

Para cultivar azedinha, em geral usa-se divisão de touceira, porque ela não produz sementes com facilidade. Como as demais espécies do gênero, gosta de solos férteis, ricos em matéria orgânica e sempre úmidos, com boa umidade do ar. Uma hortaliça sensacional!

Plantação de azedinha, Rumex acetosella.

Muda de azedinha.

9 comentários:

  1. Novamente no seu blog, muito obrigado pelos esclarecimentos, aqui em meu terreno tem várias língua de vaca, me ajudou a identificar.

    ResponderExcluir
  2. Muito boa a explicação!

    www.rotaorganica.com.br

    ResponderExcluir
  3. Eu crio galinha caipira, elas podem comer essas folhas?

    ResponderExcluir
  4. Essa planta está tomando a grama da minha casa, fazem dois anos que tento eliminar e reaparece muito rápido e muitas, tomam conta de tudo e matam a grama pq cobrem o sol. Não sei mais o que fazer para eliminar
    Tiro sempre cavando, a raiz profunda e a terra aqui é dura, muito difícil de tirar. Alguma outra fica de como eliminar?

    ResponderExcluir
  5. Eu adoro salada dessas plantas e otóti para saúde ,o meu quintal também e carregado delas e eu amo vc tem uma horta no quintal,só não pode ter por perto animais,pois urinam nelas ,bjs

    ResponderExcluir
  6. Interessante. Há muitas espécies? Não conhecia. Minha mãe tinha no quintal do sítio e trouxe uma muda. Mas é outro tipo. Com folhas parecidas com ora-pro-nobis, caule verde e flores miúdas e cor de rosa. https://youtu.be/k9jRbLfxpcU

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esta do vídeo também é chamada popularmente de língua de vaca, mas é outra planta: talinum fruticosum

      Excluir
  7. Entao....língua de vaca e azedinha é a mesma planta? Que ótimo. ....adorei

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...