Páginas

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Flores de Manjericão: receita

Aqui em casa o manjericão está muito grande e antigo, e portanto, lotado de flores. Fizemos mudas novas e esse pé, enorme, acabou sendo removido. Conforme salvava as últimas folhas, fui cismando com o perfume das flores. Corri para a internet e nada de receitas com elas.

As flores do manjericão são pequenas, brancas, e avidamente procuradas por abelhas - eu só consegui colher o pé à noite, quando elas já tinham feito seu trabalho e voltado pra casa. Essa flores pequeninas duram muito pouco, porém os seus cálices, ou seja, a parte verde que permanece mesmo depois da flor fechar, é perfumadíssima. 

Flores, muitas flores.
Já usamos algumas vezes as flores secas para perfumar álcool de limpeza e para aromatizar vinagre. Pessoalmente eu detesto vinagre e uso limão em tudo, então é uma alternativa a ser descartada. Há quem guarde as flores para chá - eu provei e achei gostosinho, embora prefira chás mais cítricos, como capim-limão ou gengibre.

Inicialmente, pensei em triturar as flores (frescas) com sal, no liquidificador, e fazer uma pasta perfumada. Não deu muito certo - ela oxidou, ficou marrom e com um cheiro um tanto amargo.

Tentativa dois: desidratar. Essa deu certo, depois foi puxar as flores dos cabinhos e guardar em um saquinho. É bom o cheiro, embora eu sinta que ele ficou bem mais fraco do que quando estavam frescas. Também senti que predominou um cheiro de cravo um tanto diferente das folhas.

Tentativa três, até agora a minha preferida: manteiga de ervas. Comprei um tablete de manteiga, aqueci em fogo baixo até ela derreter, espumar e ficar transparente (descarte a espuma e os sólidos que se depositam no fundo) - o mesmo modo de fazer manteiga clarificada. Esse processo tira a água, os sólidos e as proteínas do leite, fazendo com que a manteiga agora clarificada tenha um sabor mais suave e dure muuuito mais. Como usei flores frescas, foi importante ferver a manteiga para que ela perdesse toda sua água - que iria ser reposta com o sumo das flores. Veganos, já sabem: usem azeite ou algum óleo vegetal não-refinado.

A manteiga aromatizada: iguaria.
Na clarificação da manteiga, fiz as contas: comecei com exatos 200gr de manteiga, acabei com 179gr, ou seja, removi as impurezas e a água. E uma parte se perde grudada na colher, na panela, etc. Passe um pão e aproveite.

Na manteiga clarificada ainda quente coloquei as flores e deixei amornar - ela continua líquida mesmo morna. Coei em uma peneira finíssima, apertando delicadamente para drenar a manteiga. Resultado: 148gr de manteiga com um aroma estupendo de manjericão. 

O que fazer com ela? Um macarrão simples, com essa manteiga e alguns legumes fica absolutamente divino. Eu ainda a aqueço em fogo baixo, estouro algumas sementes de girassol e coloco em cima do arroz de outro dia que sobrou na geladeira: muito bom.

E as flores que sobraram? Ficaram escuras, perderam o cheiro, mas ainda estão amanteigadas e deliciosas. Eu congelei e usei na massa do pão. Ele está crescendo enquanto escrevo esse texto, mas assim que tiver fotos, compartilho.

Flores amanteigadas: foram para o pão.

Futuro pão integral de levain com banana verde e
flores amanteigadas de manjericão.

Uma ultima opção para as flores é congelá-las frescas e usar em molhos, sopas, pesto, etc. Lembrando que batidas ou processadas elas podem amargar. 

E ultima coisa: pode-se usar flores de qualquer manjericão. Usei flores do manjericão zaatar, que ficam parecendo tomilho, e as flores do manjericão-cravo ou alfavacão, que tem cheiro de especiarias tipo pão-de-mel. Maravilhoso.

Uma razão para você nunca mais jogar flores fora!

2 comentários:

  1. Bem, acho que vai ter pão diferente por aqui também, usando as dicas. Obrigado pelas ideias.

    ResponderExcluir
  2. Vc tem fotos do manjericão zaatar?

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...