Páginas

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Conheça as plantas usadas na prova do Masterchef Brasil

Saiba mais sobre as plantas não convencionais usadas no desafio Masterchef do episódio de 02/08. Todas essas plantas não são facilmente encontradas à venda, mas podem ser procuradas diretamente com feirantes ou agricultores de sua região. Para fazer mudas, você pode buscá-las na natureza, em viveiros ou em bons sites de venda de mudas e sementes.

Capeba ou Pimenta de Folha (Piper umbelatum)


Ainda chamada de folha santa e pariparoba, é nativa, parente da pimenta do reino, e apesar da textura áspera, cozida torna-se macia, aromática e muito saborosa, com sabor levemente apimentado. 

Pode ser usada, pelo seu formato e tamanho, como invólucro, ou para fazer charutinho e trouxinha, e até para embrulhar alimentos, como peixes e legumes. Cortada finamente, substitui a couve em diversos refogados, podem muito bem acompanhar até mesmo a tradicional feijoada. Pode ser usada até mesmo para aromatizar bebidas, drinks e chocolates.

É vendida em algumas feiras livres como capeba ou pariparoba, embora o nome pariparoba possa referir-se à outras plantas. Na dúvida, leve uma foto para o feirante para ter certeza de comprar a planta correta.  Também é usada na medicina caseira como digestiva, para tratar inflamações e até mesmo para resfriados.

Taioba (Xanthosoma saggitifolium)


A taioba é uma das maiores verduras conhecidas, podendo chegar a mais de um metro, de coloração verde e formato de coração. Seu sabor é delicado, suave, parecido com a couve e o espinafre. Por ser rica em clorofila, além de ferro e vitamina A, é usada para dar cor verde-esmeralda à sopas, caldos, massas e até macarrão. Tradicionalmente acompanha diversos pratos caipiras, como o virado de feijão, o creme de milho, a polenta e o feijão

Não se engane, a taioba pode apenas ser consumida cozida, porque crua pinica dolorosamente a boca e pode levar a problemas de saúde graves. Para cozinhar, remova as partes mais grossas da folha, pique-a e ferva-a brevemente para remover as toxinas, deixando-a segura e saborosa para uso.  Muitas plantas tem as folhas parecidas com a taioba, como a taioba-brava e o inhame. Para aprender a diferenciá-las, já ensinamos aqui.

A taioba é uma planta nativa, da qual a raiz pode ser consumido assim como o inhame, chamado muitas vezes de mangará. Gosta de ambientes sombreados e úmidos, sendo uma das poucas hortaliças que não precisa de sol para se desenvolver, crescendo até no meio da floresta. Multiplica-se por brotos que surgem em torno da planta-mãe.

Vinagreira (Hibiscus sabdariffa e Hibiscus acetosella)


A vinagreira, também chamada de hibisco, recebe esse nome devido ao seu sabor extremamente ácido. É uma planta versátil - das suas flores e frutos é feito o famoso chá emagrecedor de hibisco, vermelho e ácido, e das suas folhas, é feito o típico arroz de cuxá, no Maranhão, podendo ainda render geleia de folhas, ácidas e saborosas, para acompanhar assados e carnes. Nutritivas e saborosas, são encontradas nas cores verde quanto na versão roxa.

É uma planta que gosta de pleno sol, pode ser cultivada até mesmo em vasos, durando vários anos e produzindo frutos uma vez ao ano. Os frutos e flores são vendidos secos para chá. Para saber mais sobre usos, propriedades e cultivos, pode conferir aqui.

Lírio do Brejo (Hedychium coronarium)


O lírio do brejo, na verdade, é parente do gengibre, e não do lírio - seu nome é dado às suas flores brancas e perfumadas, que também são comestíveis e podem ser consumidas cruas.

A raiz espessa e rosada tem um aroma inconfundível, e apesar de não ter picância, substitui o gengibre em diversos pratos e bebidas. Pode ser usada para aromatizar cremes, geleias, drinks, assim como para temperar peixe e molhos para salada. Também é opção para substituir a galanga, planta comum em pratos tailandeses ainda incomum por aqui.

As folhas podem ser usadas para assar carnes e peixes no estilo pupeca, enrolados na folha e colocados para gratinar diretamente sobre brasas, emprestando um sabor característico ao alimento. Tem grande potencial na culinária, devido ao seu sabor único e facilidade de cultivo.  

Peixinho (Stachys bizantina)


O peixinho-da-horta, por vezes chamada de orelha-de-lebre e pulmonária, é famosa no paisagismo, por suas folhas acinzentadas, peludas e macias, podendo ir direto para a panela e usada como verdura.

Por seu sabor delicado, pode ser empanada e frita como lambari, e tem um suave sabor de peixe frito. As folhas podem ser usadas em massas, recheio de tortas e até mesmo em lasanhas. Em saladas não é recomendada, devido à sua textura "peluda".

Pode ser cultivada à pleno sol, formando verdadeiras moitas e crescendo rapidamente, tanto em vasos quanto na horta.


Ora-pro-nobis (Pereskia aculeata, Pereskia grandiflora)


A ora-pro-nobis tem esse nome estranho, que quer dizer rogai por nós, porque diz a lenda que em Minas Gerais era colhida escondida pela população na igreja, especialmente na hora da missa, quando o padre não estava olhando.

Trata-se de uma verdura de folhas suculentas, usada tradicionalmente na região de Sabará, em Minas Gerais. Apesar do sabor suave, ficou famosa no meio vegetariano e natureba devido ao seu alto teor de proteínas, vitaminas, e pela sua facilidade de cultivo. De textura levemente visguenta, recomenda-se prepará-la junto de alimentos úmidos, como feijão ou angu, ou usar algumas gotas de limão para minimizar a textura escorregadia.

Pode ser cultivada em meia-sombra ou pleno sol, sendo de crescimento rápido, muito produtiva e de grande porte quando plantada diretamente no chão. Seus frutos também são comestíveis, apesar dos espinhos.

Falamos sobre todas as variedades e formas de preparo nessa postagem aqui.


Malvavisco (Malvaviscus arboreus)


O malvavisco parece um hibisco cujas flores nunca abrem de fato, nas cores vermelha e rosada. As flores são usadas como decoração comestível, assim como as folhas jovens podem sem usadas como a couve, finamente picadas. São nutritivas, de sabor delicado, parecido um pouco com a couve .

Por tratar-se de uma planta ornamental, é muito produtiva e atinge tamanho grande, produzindo folhas e flores o ano todo, sendo considerada fonte de abundância por quem está acostumado a consumi-la.


Capuchinha (Tropaeloum majus)


A capuchinha, essa plantinha ornamental e rasteira, também é usada em diversos países na alimentação. Parente distante da mostarda e da rúcula, tem folhas picantes e muito saborosas, usadas em saladas, omeletes, patês e até mesmo tortas. Suas flores comestíveis são as mais famosas e podem ser encontradas nas mais diversas cores, com sabor delicado de agrião. Seus frutos também podem ser transformados em picles e usados de forma similar à alcaparra.

É uma planta rasteira, que aprecia climas mais frios e fica linda no inverno. Não é exigente quanto adubação, mas gosta de bastante água e forma lindas touceiras floridas. Multiplica-se facilmente por estacas ou mesmo por sementes, sendo de crescimento rápido.

Trapoeraba (Commelina ssp Tradescantia fluminensis)


A trapoeraba é chamada também de erva-de-santa-luzia. É uma planta rasteira, uma das mais comuns de serem encontradas em hortas, áreas irrigadas,jardins e nascendo até na calçadas. Das plantas, é uma das mais resistentes e produtivas, de crescimento super rápido. Por gostar de sombra, pode ser plantada até dentro de casa.

Na cozinha, os brotos macios são usados em saladas, e refogada entra em diversos pratos, substituindo o espinafre. Seu sabor é suave, e é muito nutritiva.

Tupinambo (Helianthus tuberosus)


O tupinambo é chamado em inglês de sunchoke ou jerusalem artichoke, e nativo da América do Norte, é pouco comum no Brasil, sendo cultivado apenas em regiões mais frias, caso contrário precisa hibernar em geladeira por todo o inverno.

Trata-se de planta parente do girassol, que produz batatas muito apreciadas por seu sabor semelhante ao da alcachofra, textura crocante e adocicada, podendo ser usado cru ou cozido. É muito produtivo e tem grande potencial na gastronomia.

12 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigado Dimas, ficamos muito felizes com o episódio!

      Excluir
  2. Assisti ontem e adorei!!! Obrigada por compartilhar conosco também.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. Obrigado Júlyo, ficamos felizes com sua visita aqui na Matos de Comer!

      Excluir
  4. Amei conhecer essas plantas. Muito interessante, vou criar algumas receitas.

    ResponderExcluir
  5. algumas eu já conhecia e ainda tenho duvidas pois a identicacao é dificial em alguns casos. Por exemplo alguem saberia me dizer a diferença entre a pariparoba e as folhas do caramoela, sao identicas...

    ResponderExcluir
  6. Excelente matéria. Gosto muito de ler as tuas publicações.

    ResponderExcluir
  7. Experimente jogar as folhas da trapoeraba num galinheiro, as galinhas a disputarão mais do que o próprio milho. Uma vez comprei um hamburguer na lanchonete Bob's e veio com taioba, muito bom. Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Fiquei positivamente surpresa ao assistir masterchef: conheciamos o lirio do brejo como "gengibrão". Só não sei se as flores das q temos em casa são comestíveis, pois as que temos são de flores vermelhas. Alguém tem uma ideia?

    ResponderExcluir
  9. Fiquei positivamente surpresa ao assistir masterchef: conheciamos o lirio do brejo como "gengibrão". Só não sei se as flores das q temos em casa são comestíveis, pois as que temos são de flores vermelhas. Alguém tem uma ideia?

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...