Páginas

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Coccinia grandis, pepininho, pepino-vermelho

Fruto amadurecendo e fruto ainda verde.
Dessa fruta (ou seria fruto?) eu ganhei uma estaca da dona Geni em um piquenique de trocas de mudas e sementes há quase um ano. Não passava de uma estaca quase seca, com dois nós (a parte espessada do caule, de onde saem as folhas). Dona Geni foi explícita - enterre um nó, de onde saem as raízes, e deixe o outro pra fora, de onde sairão folhas. E a muda demorou, mas foi crescendo. 

Ano passado, a vinha começando a se enrolar
nos outros vasos. Cresce em velocidade impressionante.
Um ano depois, emaranhada nas bertalhas. As folhas
secas são dela, que secaram repentinamente quando
esfrio para menos de 8ºC em julho.
E como cresceu rápido! Precisou ser mudada de vaso três vezes até chegar no vaso definitivo, enrolando-se junto com as bertalha-da-mata, a bertalha-coração e a bertalha-malabar, num verdadeiro embaraço verde. Os frutos quase não dou sorte de colher verdes, porque somem no meio da folhagem, reaparecendo quando maduros, escarlates.

É uma trepadeira delicada (Coccinia grandis, chamada de ivy gourd e scarlet gourd), perene, nativa da Ásia, com as folhas muito parecidas com o pepininho do mato ou pepinículo - aquele de um centímetro. Esse chega a uns bons cinco centímetros, e a planta é mais robusta. Por ser uma variedade selecionada (é um cultivar, denominado Sweet), é infértil e quase possui sementes, sendo reproduzido unicamente por estacas antigas, marrons. Não tomei coragem ainda de cortar o meu, mas quando o fizer, as ramas não devem ser destacadas, e sim virarão mudas para os amigos.

Esse é o pepino-do-mato ou pepinículo, parente,
porém bem diferente. As folhas são ligeiramente
parecidas.
A folhagem adensa quando plantado em espaldeira.

A flor, linda que só.

Fruto de vez, começando a madurar, azedinho e com as
sementes avermelhadas.

A diferença para o pepino normal não é o gosto, que realmente lembra pepino, embora mais azedinho. O fruto, colhido no ponto certo, é crocante e possui lindas sementes imersas em polpa vermelha. Quando amadurece,o que ocorre num intervalo de menos de dois dias, fica molenga e doce como um caqui, mas com gosto de absolutamente nada. Daria para fazer molhos, geléias e compotas, talvez com alguma outra fruta para dar aroma, porque é absolutamente neutro, e com uma cor vermelha muito bonita. Maduro, em nada lembra pepino, desmancha na boca.

As folhas, a exemplo da folhagem da abóbora e do chuchu, são comestíveis quando cozidas, com um sabor interessante - embora eu tenha preparado apenas uma vez e não tenha certeza se lembro bem do gosto, a tal cambuquira do pepino-vermelho.

Alguns produtores já estão comercializando em feiras orgânicas no interior de SP, e eu acho que é um ingrediente promissor para restaurantes. Imagine um sushi cujo pepino é repleto de sementes vermelhas feito jóias? Coisas que estamos para ver em alguns anos.

Um comentário:

  1. Guilherme, só queria realmente agradecer vc pelo trabalho que está fazendo de compilar as PANCs e nos ensinar como tratá-las e cozinhá-las!
    Sou de uma ecovila na Bahia e reconheci várias plantas que vc falou aqui e já estou divulgando o valor alimentício pra todos com quem tenho contato!
    Obrigado mesmo e mantenha o bom trabalho!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...