Páginas

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

As plantas bioindicadoras. Não é tudo mato!

Mais do que errado, o termo ervas daninhas é preconceituoso e baseado numa visão utilitarista. Repare, o termo daninhas já indica que elas são prejudiciais, perniciosas, que causam dano. Mas... elas causam mesmo? Na natureza não existe nada que cause dano. Felizmente, só podemos falar de bem e mal, um discurso que envolve a moral, para questões humanas, e plantas são vegetais. Nem bons nem maus. Nunca daninhos, danosos. Só a partir desse raciocínio, o termo "erva daninha" já começa a parecer errado.

Língua de vaca: indicadora solos compactados e úmidos.
Daninha?
Bom, nomes não surgem do nada, é preciso que alguém os crie. Talvez o agricultor que não sabia que elas tinham utilidade, ou o paisagista obcecado com uma grama impecável as percebe esteticamente daninhas Afinal, daninhas para quem? Talvez pro grande dono de terras que trabalha pra agroindústria - e me recuso a chamá-lo de agricultor, porque ele não trabalha com a terra, ele a explora. E a natureza não gosta muito de ser explorada, já perceberam?

Primeiro, vamos às definições. Esse blog é chamado Matos de Comer não por acaso. Caso não tenha percebido, apesar de algumas frutas e receitas soltas por aqui, gostamos e falamos mesmo é sobre plantas ruderais, das quais muitas são plantas alimentícias não convencionais. Plantas ruderais, caso tenha esquecido, é um termo eu te ajudo a lembrar: o termo é sinônimo de ervas daninhas, mas sem esse juízo de valores em cima delas. Ruderal significa "planta que acompanha o homem". Ou seja, onde o homem vai e desmata, queima, corta, lá vem as plantas ruderais para ocupar o solo. As plantas espontâneas, que nascem sozinhas.

Daninha e com orgulho!

Essas plantas tem a habilidade de deixar o ambiente sempre mais fértil, mais solto, mais úmido e mais rico em vida. Sempre. São aquelas que nascem onde nada mais nasce, e vão preparando terreno até que as plantas mais sensíveis possam nascer, seguidas de plantas maiores, até a reposição da vegetação. Dessa forma, dificilmente você verá as espécies ruderais, "daninhas", numa floresta com solo rico e fértil. Ali, elas não tem mais trabalho a fazer. Aliás, há sementes que ficam décadas no solo esperando o solo ficar compactado, seco, pobre ou raso para brotarem. É o plano de saúde do solo. A esse "plano de saúde" natural damos o nome de banco de sementes do solo. Se a terra fica doente, essas sementinhas entram em ação. 

É só a terra ficar exposta que elas aparecem.

E não, não estou inventando nada disso. Aliás, há muito de científico nisso, tanto que a grande Ana Primavesi já escreveu sobre isso, e é possível encontrar informações sobre isso até mesmo no site da Embrapa.

Aí está a mágica! Certas planta tem essa função na natureza, a de equilibrar, reestabelecer. Por exemplo, se o solo está muito compacto, a tendência é que nasçam plantas de raízes longas e profundas. Elas naturalmente descompactam o solo e o deixam fofinho e permitem a entrada de água. Inteligência da natureza? Isso acontece porque as plantas de raízes rasas e fracas não conseguem penetrar a terra, portanto, as com raízes profundas e fortes prosperam. Por exemplo, espécies não comestíveis como a vassourinha de botão e a guanxuma são terríveis de arrancar, porque a raiz vai fundo na terra. Quando a planta morre, essas raízes viram túneis onde a água e a fertilidade penetram. E a terra vai afofando, afofando. 

Tomei a liberdade pegar o que já foi escrito sobre o tema e fazer uma tabelinha sobre as PANC e o como elas podem dar pistas sobre como está o solo da sua casa, praça, vaso ou quintal.


Se o solo, por sua vez, é rico em nitrogênio e pobre em outros nutriente, plantas que toleram esses altos teores crescem rapidamente. Isso explica, por exemplo, a presença de picão e guasca em locais que se joga água de reúso, beira de calçada e até perto de ralos - porque são ambientes ricos nesse nutriente, que será reciclado por essas plantas. Calçadas onde cachorro faz xixi, rico em nitrogênio, também são infestados por essas plantinhas.

A tiririca gosta de solos ácidos, adensados e compactos, e ela vai crescendo até que o solo fique mais solto e fofo. Depois que ele melhora, ela gradativamente vai sumindo, morrendo. Dificilmente você vê um solo de floresta rico em tiririca, porém, um canteiro sujeito a pisoteio estará cheio delas.

Ainda, um lindo campo de tagetes indica forte presença de nematóides, pequenos vermes do solo que danificam as raízes das outras plantas. A tagete é repelente dessas criaturas, e é a única que sobrevive num campo infestado. Com o passar do tempo, os nematóides são afastados pela tagete e outras espécies conseguem nascer na área. 

19 comentários:

  1. Gui! Adorei o post e não consigo ver o vídeo agora, mas senti falta de uma explicação sobre o trevo. Ele é indicativo de quê?
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Larica! O trevo ficou de fora da tabela, né? Indicativo de solos com umidade constante, pouca incidência de sol e fertilidade média. Isso para o trevo azedo, ou azedinha, da foto. Para o trevo-branco ou trevo vermelho, indicativo de solos pobres em nitrogênio!

      Excluir
    2. Ia ser lindo se tivesse uma foto do lado dessas plantas pra gente poder identificar

      Excluir
  2. sei que é pedir muito, mas teria como expandir esse artigo e dizer o que podemos fazer em cada condição, com uma coluna nova na tabela?

    ResponderExcluir
  3. Amei o tratamento dado a Natureza nesta post. Como nós, aqui na cidade, estamos por fora deste assunto! Vou procurar fotos das plantas da tabela, pra conseguir identificá-las. Grata, um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Fiquei feliz em saber que as ervas ditas como daninhas são na verdade saudáveis para o ecossistema. A própria natureza se recupera. Então entendo que mesmo que o homem interfira na tentativa de agredir o planeta terrestre haverá sempre mecanismos naturais para a recuperação do ambiente? A Terra é auto sustentável?

    ResponderExcluir
  5. Fiquei feliz em saber que as ervas ditas como daninhas são na verdade saudáveis para o ecossistema. A própria natureza se recupera. Então entendo que mesmo que o homem interfira na tentativa de agredir o planeta terrestre haverá sempre mecanismos naturais para a recuperação do ambiente? A Terra é auto sustentável?

    ResponderExcluir
  6. Muito legal gostei muito. Fiquei so com duvida em algumas siglas dos elementos Cu . Mn , Mo, , e de com agregá-los ao solo.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Boa iniciativa, mas na tabela deveria ser PLANTAS INDICADORAS, e não PANC (planta alimentícia não convencional), já que inclui tiririca, picão preto,etc...Imagina uma guanxuma refogada. Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luciano, todas as citadas são de uso alimentício. O picão e a guanxuma são usadas para chá, enquanto a tiririca tem batatas comestíveis. No caso, não está explicita a forma de consumo, mas são todas comestíveis.

      abraços

      Excluir
    2. Não sabia deste usos Guilherme. Perfeito então. Abraço.

      Excluir
  9. Oi Guilherme tudo bom? Como você prepara o trevo? Valeu a dica do solo com eles. Aliás tudo aqui escrito. Adorei!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu consumo ele cru mesmo, mas dá para fazer geléia - mas daí vai precisar de uma boa quantidade deles! O bom é evitar suco com ele, especialmente em grandes quantidades. Abraços

      Excluir
  10. Eu já havia lido o texto na sua página, gosto muito!

    ResponderExcluir
  11. oi Guilherme... muito legal... já tinha lido antes e fui reler, na tabela o picão é o branco, né?

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...