quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Matos que não são de comer: erva-branca

Hoje vamos inaugurar uma coluna semanal sobre plantas que não são de comer, mas que crescem junto com as que são: como saber qual é qual?


A planta de hoje é a erva-macia, erva-branca, pé-de-gato ou macela-branca. É citada na literatura em dois gêneros sinônimos, na nova e na velha classificação: Gnaphalium e Gamochaeta - ambos se referem a mesma planta. Ela é infestante, e embora tenha porte pequeno, se reproduz com facilidade e germina em qualquer lugar. As espécies mais comuns aqui na região sudeste são: G. coarctata, G. pensylvanica e G. purpurea.


Ela, que passou o inverno nma forma de roseta, baixinha e discreta, agora estão em floração. Não espere uma flor chamativa. Aliás, não espere nada muito ornamental. Essa é uma das planta que a gente não dá atenção porque ela não tem nenhum chamariz. As folhas parecem estar sempre cobertas de um pó branco, são peludinhas e pouco chamativas. A flor é cor de palha, espigada e sem grande beleza - eu demorei pra perceber que era flores.


Ela, claro, não deve ser menosprezada, porque possui propriedades medicinais. Pouco usada no Brasil, é mais usada nos países latinos, sob o nome "gordolobo". Contudo, o gênero possui muitas espécies similares e é melhor evitar o uso.



Aqui vale um lembrete, nunca nesse blog vou indicar usos medicinais ou terapeuticos que eu não tenha testado em mim e que não tenha certeza do uso - existem profissionais maravilhosos que podem fazer isso, e eu não sou um deles.


Essa planta, então, deve ser evitada - há pouca literatura sobre sua toxicidade e nenhum registro de que seja comestível. Algumas espécies se parecem com a buva, Conyza bonariensis e Conyza americana. Porém, a buva tem folha opaca porém verde, chega numa altura maior, é mais vigorosa e fortemente aromática. As flores são na ponta do pendão, mais destacadas e com astes mais longas. São parecidas, mas é fácil não confundir.

GUIA DE IDENTIFICAÇÃO
Gamochaeta: G. coarctata, G. pensylvanica e G. purpurea. Descrição geral: Planta anual, bianual ou perene, ereta, herbácea, pouco ramificada, de caule esbranquiçado totalmente revestido por pelos brancos, com 15-30 cm de altura.  Folhas macias, ligeiramente suculentas, em geral espatuladas ou mais afiladas, superfície de cima mais esverdeada, superfície debaixo branca, coberta de pelinhos ou "pó" branco, com até 7 cm de comprimento. Folhas da espécie G. purpurea tendem a ficar arroxeadas em situações de sol intenso. Em todas as espécies, na época da floração, folhas superiores menores que as inferiores. Podem ser ligeiramente amassada ou lisas, raramente serrilhadas. Flores nas axilas das folhas, na cor pálida ou cor de palha, cobertas de penugem ou pelinhos. 


LOCAL DE OCORRÊNCIA



Qualquer local. Sem exigências em relação ao solo, gosta mais de pleno sol. Nasce especialmente em terrenos pouco cultivados e plantações de café. 


Começando a florir: folhas típicas



Folhas brancas, flores cor de palha grudadas no caule,
porte baixo.


Buva no meio, erva-branca em volta:
parecidas, 
mas diferentes. A buva,
se come. Foto 
gentimente cedida
pela amiga Mirinha Cenamo.


Parte de baixo da folha: branca, granulosa,
poeirenta. Típica.






2 comentários:

  1. Fiz uma pequena horta no quintal de casa em Peruibe-SP Tudo que plantei não pegou e o que não plantei pegou que foi uma beleza! Só que não conheço nenhuma delas. Como posso identificar uma planta comestível?

    ResponderExcluir
  2. acho bom conhecer todas as espécies comestíveis ( pelo menos as mais comumente encontradas)pois numa horta caseira acabamos por capinar e elimina´-las como ervas daninhas, o que é uma pena.Tudo por falta de conhecer o assunto"panc"

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...