Páginas

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Outras Trapoerabas: Trapoeraba gigante

Trapoeraba gigante, Commelina benghalensis.
Note as folhas grandes e arredondadas.
A trapoeraba gigante (Commelina benghalensis) nasce desde sempre aqui na minha rua. Nunca dei atenção pelo aspecto vulgar de mato e o crescimento invasivo e intenso. Aliás, é fácil encontrá-la por aqui, porque ela se reproduz muito rápido e em uma velocidade espantosa. É uma PANC vulgar, mas acessível e produtiva, além de saborosa.

Seu aspecto é similar ao das demais trapoerabas, uma é planta rasteira, de folhas esverdeadas, alternadas e flores na ponta dos ramos. Como diferencial, possui grandes folhas e pilosidade no caule. Aliás, apresenta as maiores folhas dentre as trapoerabas comestíveis. Suas folhas também são arredondadas, mas existem variedades com folhas mais pontiagudas. É muito consumida na Ásia, especialmente na Índia, onde é cozida com grãos na composição de ensopados aromáticos. Chamada, por lá, de amala ou kenna. No Nepal, onde também é considerada verdura, chama-se kanesag .

As flores se parecem com a da Commelina erecta.
À esquerda, trapoeraba azul. À direita, com folhas
maiores e arredondadas, trapoeraba gigante.
É uma planta muitíssimo produtiva e de crescimento rápido, adaptando-se a ambientes sombreados com facilidade. Sua única exigência é solo úmido, e de preferência, fértil. Um bom vaso com partes iguais de terra de jardim e composto de minhocário vai render muita, mas muita trapoeraba-gigante. Para fazer mudas, você apenas vai precisar de um pedaço do caule ou da rama, e enterrá-lo parcialmente. Simples assim. Deve ser cultivada preferencialmente em vasos, porque assim como as outras trapoerabas, ela gera sementes à partir das raízes, e quando arrancada, essas raízes permanecem. Qualquer fragmento de caule ou raiz dará origem à novas plantas - é como cortar a cabeça da hidra.

Sementes germinando a partir das raízes.
Se quiser, fica linda como planta em vaso suspenso, estilo samambaia. Pode ser podada mensalmente para que não fique muito comprida. Deve ser mantida em ambiente sem fluxo de ar intenso e semi-sombreado, como próximo a uma janela.

Nutricionalmente, é rica em potássio, e tem teores médios de proteínas, cálcio e cloro, além de ser rica em luteína e beta-caroteno. Também é rica em fibras. Seu sabor é suave e lembra o espinafre, podendo ser usada da mesma maneira que qualquer hortaliça folhosa. Deve ser consumida preferencialmente cozida, e seu caule é um pouco fibroso - eu só uso as folhas. Fica gostosa acompanhando omeletes ou incrementando pratos do dia-a-dia. É uma boa substituta da ora-pro-nobis, porque ela, se cozida excessivamente, solta mucilagem.

Pode ser encontrada em qualquer lugar que não seja de mata nativa. Nas minhas andanças pela cidade, já vi em praticamente todos os bairro que visitei. Acredito que você não terá dificuldades em encontrá-la. Repare nas calçadas e praças, assim como canteiros na rua. Leve uma mudinha para casa e comece a produção! Lembrando que não recomendamos o consumo constante de plantas coletadas diretamente na rua pelo seu possível teor de poluentes.

5 comentários:

  1. oi. fiz uma panqueca de abóbora recheada de trapoeraba da miúda e da graúda, beldroega, beldroegão, folha de batata doce, ora-pro-nóbis e ricota, sob influência sua e da Neide Rigo. muito obrigada por compartilhar as informações sobre os matos de comer. abç

    ResponderExcluir
  2. Oi!! Adoro suas postagens, sempre acompanho! Obriga por compartir tanta coisa linda!
    Você sabe se tem alguma restrição ao consumo das trapoerabas? Estou gravida e tenho um pouco de medo de seguir consumindo as PANCs agora por falta de informação sobre elas... seria legal fazer um post a respeito! Saudações! Axé!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Renata, ficamos muito feliz com a sua mensagem!!! Não encontrei restrição de consumo, na realidade. Tem pouquíssimo material sobre essas plantas, menos ainda sobre consumo na gestação. O ideal, eu acredito, é consumir com moderação até o final da gestação. Cada planta pode dar uma reação desconhecida - eu, por exemplo, sou alérgico a cambuci, uma fruta inocente que todo mundo come. A falta de informação ainda é um problema. As mais consumidas fora e dentro do país acredito que não tenha nenhum problema: ora-pro-nobis, taioba, bertalha e serralha são consumidas sem problemas! Na dúvida, vá com moderação e evite preparados concentrados, com o suco verde. Tudo de bom pra vocês!

      Excluir
  3. Interessante! Conhecia, esta erva, popularmente,, também com o nome de erva de santa luzia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cris, esse nome eu não conhecia! Anotado, obrigado pela dica!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...