Páginas

segunda-feira, 21 de março de 2016

Espinafre de okinawa, handama, 紅鳳菜

Maço misterioso nas ruas da Liberdade.
O espinafre de okinawa é uma verdura perene, de folhagem bicolor, porte arbustivo, que é cultivada na Ásia como hortaliça, sendo consumida tanto crua quanto cozida, possuindo sabor suave parecido com a salsa. 

Tenho por habito almoçar nos finais de semana  no Bairro da Liberdade, arrastando os amigos na desculpa de comer um bentô, quando na verdade o que eu quero de fato é namorar as vitrines das mercearias chinesas repletas de ingredientes, legumes e hortaliças não convencionais.

Misturado à outros vegetais pouco convencionais,
chama atenção pela coloração vívida.

Essa semana encontrei um maço de verdura, entre frutos de bucha, abóboras d'água e brotos de chuchu, diferente que tudo que já tinha visto. E acredite, sou rato de livros e artigos sobre biodiversidade alimentar e tenho um catalogo relativamente bom de plantas na minha cabeça. Mas aquela verdurinha roxa eu nunca tinha visto na vida, pessoalmente ou em livros, muito menos para vender nas mercearias.

A vendedora disse que sempre tem, mas eu desconfio que nunca cheguei cedo o suficiente para comprar ou de fato é produto novo. Não tem nome, preço, nada. Perguntando, uma vendedora que mal falava português me disse que se chamava "verdura roxa chinesa" e perguntei como comia, recebendo um "sim". Um senhor oriental muito idoso que estava por perto explicou que é uma verdura pra comer refogada, passada no óleo de gengibre (suponho que ele tenha a intenção de dizer gergelim). A esposa disse rindo que no final, coloca um tanto de sake ou pinga na panela e tampa pra pegar gosto. 

E começam as investigações sobre o que seria essa planta, porque eles disseram o nome em chinês e eu não fui capaz de entender. E como de chinês nada entendo, recorri as imagens até achar algo parecido com o que comprei. Espinafre de Okinawa, de nome científico Gynura bicolor, que, na verdade, não é espinafre. Cultivada em diversos países asiáticos, como China, Japão, Tailândia, Indonésia e acredite, até no Havaí. Apesar dos ramos, forma das folhas, não tem parentesco com o espinafre, mas sim com a serralha, a capiçoba e o dente-de-leão, assim como o alface e a escarola.



Pra quem já comeu capiçoba, ela é parecida, aromática, com um sabor agradável que lembra salsa. Folhas macias, suculentas, sem fibras e muito saborosas. Por ser uma planta cultivada, diferentemente de algumas PANC mais selvagens, possui folhas próprias pro consumo in natura por ter a combinação textura, sabor, fibrosidade e cor na medida certa. Refogada fica com gosto de espinafre, macia e quase escorregadia. Aliás, as receitas que consultei recomendam não picar para não ficar babento, e eu não achei nada babento. Pro suco verde ela pode entrar, mas sempre em quantidades pequenas, porque possui um teor alto de mucilagens e forma bastante espuma - talvez um suco verde espumante?

As folhas, uma mais bonita que a outra.

Cru ou refogadinho, é bem gostoso.
Cozinhei no arroz e de fato ele fica arroxeado, enquanto a cor desaparece na folha simplesmente refogada. Os pigmentos são antioxidantes, ela é rica em vitamina A, cálcio e proteínas, assim como possui substancias de interesse medicinal como sulforafano e genisteina.

É uma das verduras mais bonitas que já vi, e a planta, pelo que consultei, vira um lindo arbusto bicolor e muito ornamental. Multiplica-se com facilidade através de estacas, que devem ser desfolhadas e colocadas pra enraizar na água. Enraízam com facilidade, embora seja um processo que possa levar de uma a duas semanas. Algumas estacas eu espetei direto da terra e elas cresceram bem também, ou seja, a propagação é descomplicada. As minhas foram fortemente atacadas por pulgão quando começaram a  rebrotar, em parte porque não eram oriundas de cultivo orgânico e devem estar com hiperfertilização, deixando os tecidos moles e a planta desprotegida.

Tirei as folhas e coloquei na água.
Corte a base da haste e retire a parte ressecada.
Depois de 10 dias, cheia de raízes. 100% das mudas
estão enraizando.
Todas criando raízes.
As folhas crescem muito rápido.
 Para cultivar, ela adapta-se a todos os tipos de solo, preferindo sempre solos soltos, férteis e ricos em matéria orgânica, porque responde bem à fertilização, e gosta de regas regulares. Suas raízes são profundas, por isso gosta de vasos grandes e bem drenados. Conforme o manual de cultivo da Sociedade de Cultivo do Pacifico, é uma das plantas mais fáceis de se cultivar, pouco atacada por pragas, razoavelmente resistente às secas. Quem quiser mais informações, ficha completa dela aqui, em inglês.

Abaixo, fotos retiradas da internet, de sites chineses, mostrando o cultivo da planta em hortas e em escala comercial, pra você ter ideia da belezura dessa verdurinha. Note que, apesar de constar na bibliografia que ela pode chegar a meio metro de altura, ela é podada e mantida baixa, de forma que forma densos maciços e aproveita-se as folhas tenras e jovens.

Planta em cultivo. Foto daqui.

Planta em cultivo na China. Foto daqui. 
Foto em cultivo comercial na China. Foto daqui. 

4 comentários:

  1. baaaahhh.. estou procurando essa planta! Posso comprar? Não achei aqui em Porto Alegre... Por favor avise! Obrigada. Maria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Maria, comprei aqui no bairro da Liberdade, não estamos mais comercializando mudas. Mas se der um pulo aqui pra SP é provável você encontrar. Conta pra nós, onde ouviu falar dela? Abraços

      Excluir
  2. oi Guilherme, que pena... Estou procurando e plantando hortaliças e plantas perenes, e gynura bicolor é muito popular na EU.. Descobri que só posso plantar de muda, parece que ela não tem sementes. Vou procurar mais, se tem no SP um dia vai aparecer aqui tbm :)

    ResponderExcluir
  3. Procurei na Liberdade inteira e não achei.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...